Paulo Baier é apresentado como técnico no Toledo: “Sei o que o jogador precisa”

O ex-meia Paulo Baier, com passagem por clubes como Atlético-PR e Palmeiras, concedeu sua primeira entrevista como técnico. Ele já tinha sido anunciado pelo Toledo, equipe do interior paranaense, em junho e vai estrear apenas em janeiro, no Campeonato Paranaense de 2018.

Em sua apresentação, ex-meia comentou sobre o acerto com o Toledo e sobre a mudança na carreira. Também garantiu que está pronto para ser técnico porque, após 21 anos dentro das quatro linhas, “sabe o que o jogador precisa”:

– Eu estava com um projeto já desde que eu parei de jogar. Conversei com o presidente e foi muito rápido. O presidente me mostrou toda a cidade praticamente. A gente tem que evoluir e estudar. Mas quem conviveu 21 anos tem essa outra linha de convivência com jogador. A gente sabe o que o jogador precisa, o que ele gosta de fazer.

Paulo Baier começou a carreira no São Luiz, em 1994, e encerrou também no clube gaúcho, no ano passado. Neste período, além de Atlético-PR e Palmeiras, também jogou por lcubes como América-MG, Atlético-MG, Criciúma, Goiás, Sport, Ypiranga-RS e Juventude.
O agora técnico Paulo Baier preferiu não citar treinadores que sirvam de inspiração para ele, mas afirmou que tirou “um pouco de cada um” desde os 30 anos.

– Eu não tinha pretensão de ser técnico, mas, chegando perto dos 30 anos, você vai observando e tirando um pouco de cada um. O que é ruim entra de um lado e sai do outro. O que é bom, a gente procura guardar – afirmou Paulo Baier, que destacou a função de gestor.

– Você tem que trabalhar com jogadores de confiança com quem você já jogou, às vezes. Você tem que ser mais um gestor de pessoas do que um treinador, por exemplo. O Tite é um exemplo, e já vou falar que foi um dos melhores treinadores com quem trabalhei. Alguns gostam de pouco mais de cobrança, outros não. Eu consigo agregar em relação a isso pelo que fui como jogador.

Paulo Baier também falou sobre o desafio de comandar o Toledo no Campeonato Paranaense de 2018. Ele afirmou que o clube vai atrás de jogadores experientes, mas destacou a importância de apostar nos jovens:

– Esse é o objetivo também, né? Eu já estava olhando o jogo e por isso que a gente vem antes. Eu vejo futebol assim: não importa se o menino tem 17 anos ou se tem 40. Se tem qualidade, vai jogar. Tem que ter uma mescla. Logicamente tem que ter os experientes, mas também tem que ter os meninos. Não importa a idade. Importante é o rendimento.

baier

(Globo Esporte)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>